quarta-feira, 29 de setembro de 2010

MORANGO COM CHANTILI, SUSPIRO E RUM


Júlio Christophe*
Foto: Miguel Aun.



novo

desejo

louco

de amar

de novo

loucamente

sóbria


_________________________________
Viviane Campos Moreira.
Postado em videbloguinho
Poema inscrito na BPP6 - Dez/2008.
Evento realizado pelo GOM
Grupo de Oficcina Multimédia -BH(MG)

*Queima em alta temperatura -
multiargilas com engobe e óxidos.
Catálogo cedido por Liege Mendes.

Mais: PEQUENOS DESACATOS.

domingo, 26 de setembro de 2010

A mágica do amor na conferência de Malvine


Foto: Geraldo Magela.


Malvine Zalcberg, psicanalista carioca, esteve em BH para a conferência Homem, mulher e a contingência do encontro no dia 25/9/2010 na XXVIII Jornada do Fórum de Psicanálise, realizada pelo Círculo Psicanalítico de Minas Gerais.

“A mulher do amor”, como foi chamada por Joaquim Ferreira dos Santos (Gente Boa – O Globo), embarca na próxima quinta-feira para Paris, para o lançamento de seu livro Qu’est-ce qu’une fille attend de sa mère? (Que é que uma filha espera de sua mãe?) - que trata da relação mãe e filha - e para dar palestra na Librairie Lipsy no próximo dia 2 de outubro.

Como se dá o encontro contingente entre um homem e uma mulher?

Malvine se baseou em Lacan para abordar a contingência do encontro amoroso entre o homem e a mulher como consequência da realidade sexual que não existe. A contingência que deve ser compreendida como surpresa, enquanto não certeza. “A contingência do encontro entre dois inconscientes, dois sintomas e duas solidões. O amor é o que torna possível esse encontro contingente”.

Nos debates, Malvine fez uma reflexão sociológica sobre o amor na atualidade, considerando que “não há subjetivação fora da cultura”. Ela apontou os reflexos "da queda da figura paterna como organizador social" – a função simbólica do “pai”, que ordena os membros de uma sociedade por meio da restrição pulsional, está bastante prejudicada hoje. Lacan foi citado: “Toda sociedade tem que frear o gozo”, pois a limitação do gozo é pressuposto da cultura. É o preço que pagamos para nos tornar sujeitos da cultura.

Em uma sociedade comprometida com o gozo, e marcada pelo seu excesso, há muitas outras coisas mais importantes que o amor. Há uma urgência de gozo e compromisso com a sua agenda. Observou Malvine: “O sujeito tem que se tornar objeto de gozo.” A surpresa e sobretudo os riscos do amor não são desejáveis. Há uma preferência pelo amor seguro - pela segurança e conforto que o “amor” pode dar - pelo amor que não ameaça a ordem do gozo.

Nesse cenário de pouca alteridade, de pouca abertura para o outro que traz a diferença, “o amor está ameaçado, embora ele seja fundamental para ‘barrar’ o gozo.” Para Malvine, “o amor é para ser reinventado. É preciso ir contra a segurança e o conforto, e suportar seus riscos.”


__________________________________
Viviane Campos Moreira.
Postado em Balaio da Vivi

(OBS.: no texto, para acessar o site da Malvine, clique no link, sob Malvine Zalcberg em negrito.)

***

Mais: A trama do amor entre o homem e a mulher

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Luz que não se apaga





Iris, filme estrelado por Kate Winslet e Judi Dench, baseado no livro de John Bayley sobre a escritora irlandesa Iris Murdoch, acometida pelo mal de Alzheimer. Uma história de amor à vida farta de afeto.

Iris convida-nos a navegar na força reluzente do seu pensamento, na sua criação e nos seus tormentos; no fulgor incandescente da sua mente.

A narrativa de liberdade, amor, desejo foi vivida com John Bayley, para quem ela disse: "É só ficar ao meu lado e tudo ficará bem!" E ao lado dela ele esteve até o último momento possível. Desejo, amor, liberdade e cuidado, ao lado de John Bayley.

Conheceram-se num encontro informal de um grupo de amigos reunidos em torno de uma mesa:

"- Claro que é questionável descrever os sentimentos. Por mais que se tenha cuidado, assim que se começa a definir um sentimento, a linguagem o trai. Não bastam palavras para dizer a verdade. Quase tudo, exceto coisas como 'passe o molho', é uma espécie de mentira. Sendo assim, vou me calar: - Ah, passe o molho." Enquanto Iris se rende às traquinagens da linguagem, um homem se apaixona pela oradora.

O que ela teria além da beleza? Dos olhos azuis fulgurantes? Do corpo com as medidas da juventude? Quais seriam os mistérios da sua mente? Do mundo dela? Teria sido esse o despertar amoroso de John Bayley?

Um homem seduzido? Encantado. Entregue ao sabor do ritmo do Tcha-Tcha-Tcha: moviam-se ombros, braços, mãos, cabeça, e a graça do feminino acendia-se ao parceiro. Em delicados trejeitos, o feminino se revelava ao outro, a beleza era posta em movimento e o sorriso provinha de um sentimento de felicidade - fugaz, mas real.

Iris faz sua escolha: John Bayley. "Eu te quero, John Bayley!" Um homem e uma mulher se enamoram... O homem tomado de desejo pela oradora alcança o amor e o seu destino: ao lado dela. Cúmplices na linguagem, na vida, tornam-se amigos, amantes.

Eles não eram pessoas comuns, mas outsiders num momento infeliz em que a humanidade se distanciou do pensar. Um homem e uma mulher acostumados a viver no reino das palavras: “Sem as palavras, como iríamos pensar?” – indaga Iris.

Ao sentir a presença da doença, Iris argumenta com seu fiel interlocutor: "Todos temos medo de enlouquecer. (...) Quais de nós têm mente saudável?" A doença foi enfrentada como o único mal invencível na sua trajetória. A palavra era o território de Iris. O pensamento, a razão da sua vida. A partilha, um exercício de alegria. O afeto, sua existência luminosa na memória do outro.

Para uma plateia de gente bem-educada, convidada a falar sobre educação, a filósofa Iris, então autora de 26 romances, diz:

"- A educação não traz felicidade e nem sequer liberdade. Não nos tornamos felizes porque somos livres. (...) Mas a educação pode ser o meio pelo qual percebemos que somos felizes. Abre nossos olhos e ouvidos. Conta-nos onde se escondem os prazeres. Convence-nos de que só existe uma liberdade: a da mente. E nos dá a segurança, a confiança para trilhar o caminho da mente, que nossa mente educada proporciona."

Em um momento comezinho da dupla, John Bayley, então maduro professor de literatura, lamenta: "A única linguagem que se entende hoje é a imagem. Faça o retrato!" Iris retruca: "Amor é a única língua que todos entendem".

E uma senhora encantadora discursa sobre o amor:

"- Os seres humanos se amam: no sexo, na amizade, e quando estão apaixonados. E eles cuidam de outros seres: humanos, animais, plantas e até mesmo pedras. A busca e a manutenção da felicidade estão em tudo isso e no poder da nossa imaginação. Toda alma humana assume talvez mesmo antes do nascimento formas puras, tais como: justiça, moderação, beleza e todas as qualidades morais de que nos honramos. Somos levados em direção ao bem, pela vaga lembrança dessas formas simples, tranquilas, abençoadas, as quais vimos uma vez em uma luz límpida e clara, sendo nós mesmos puros."

________________________________________
Viviane Campos Moreira
Postado no videbloguinho

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Tango com Al Pacino

Uma mulher à espera de alguém que não chega. Um homem sente o seu perfume... Imagina como deve ser essa mulher... Ele e um rapaz se aproximam dela. Ele se apresenta. Apresenta o rapaz. Eles se sentam à mesa dela. Quando ela tenta resistir, insistindo em dizer que estava à espera de alguém que poderia chegar a qualquer instante, ele lhe diz: "Algumas pessoas vivem uma vida em um minuto" - uma promessa do que estava por vir. Então, ele a convida pra dançar tango! E o resto... pura magia do cinema.


Vídeo: Cena de Perfume de Mulher

* * *

Um mimo do meu amigo Zezito.

OBS.: para acessar o vídeo, clique no link, sob Cena de Perfume de Mulher.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Mais família e lazer, menos política.

A pesquisa realizada com jovens belo-horizontinos de 18 a 24 anos revela que para eles a família (98%) e o lazer (98%) são mais importantes que a política (55,8%). Depois do lazer, vem o trabalho (95%), sexo (90,3%), religião (81,5%). A pesquisa Juventude, participação e voto foi realizada pela Universidade Federal de Minas Gerais - Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe). Foram realizadas 500 entrevistas. 82,3% dos jovens declararam pouco ou nenhum interesse por política. Quanto à confiança nas instituições, as igrejas (6,67%) vêm em primeiro lugar, seguidas das ONGs (6,43%), pessoas (5,93%) e TV (5,28%) - os partidos políticos vêm em último lugar (3,71%). Segundo Heliomara Telles*, coordenadora da pesquisa, "Os dados nos mostram um eleitor jovem muito pouco interessado em política, descrente da possibilidade de ser ouvido pelo governo e desconfiado das instituições representativas. Por outro lado, são motivados pelos valores pós-modernos - como o meio ambiente e o desenvolvimento autosustentável - e profundamente vinculados à família."

*Fonte: Estado de Minas (19/9/2010), p.4.

* * *

Comentários...?

sábado, 18 de setembro de 2010

Brasileiras na rota da exploração sexual

É o que diz o relatório da ONU* Tráfico de Pessoas para a Europa para Fins de Exploração Sexual. Cada vez mais, brasileiras são traficadas no mercado da exploração sexual da Europa Ocidental. Elas são destinadas para Espanha, Itália, Portugal, França, Holanda, Alemanha, Áustria e Suíça. Nas estatísticas relativas à origem das mulheres traficadas, 32% vêm dos Balcãs; 19% dos países da antiga União Soviética; 13% da América do Sul; 7% da Europa Central; 5% da África e 3% do Leste Asiático.

Segundo estimativas da ONU, há "140 mil mulheres vítimas do tráfico, traficadas em condição de servidão e juntas fazendo cerca de 50 milhões de programas sexuais por ano, a um valor médio de 50 euros cada, gerando lucro anual de 2,5 bilhões de euros - R$ 5,5 bilhões."

Por ano, são feitas 70 mil novas vítimas do crime organizado para exploração sexual. Propostas falsas de trabalho e benefícios são usadas para aliciar novas vítimas.

*Fonte: revista Planeta, edição 455 - agosto 2010, p. 78.

* * *

Um recorte em preto e branco da realidade de milhares de mulheres ainda reféns da "condição" feminina. Quais respostas o direito pode dar às questões de ordem sexual? A regulamentação da prostituição bastaria? Ou sempre algo de ordem sexual desafiará o direito?

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

A horta de Michelle Obama

Carlo Petrini (Slow Food) em entrevista à revista Planeta* disse que a primeira-dama Michelle Obama, atendendo a pedido de Alice Waters - vice-presidente do movimento Slow Food - fez uma horta em casa. O fundador do Slow Food destacou o exemplo de Michelle Obama. Segundo Petrini, devemos "superar o conceito de consumidor e reforçar o de coprodutor, pois comer é um ato agrícola". E o consumidor, para ele, não pode ser passivo. Ele propõe uma educação com contato com a terra e alerta para o tempo que as crianças europeias gastam diante da tevê - uma média de 3h/dia. O pai do Slow Food argumenta que "as crianças bombardeadas pela publicidade ficam destituídas de critério seletivo, perdendo assim a capacidade de decodificar as mensagens que as absorvem inteiramente. Por isso, é preciso colocá-las em contato com a terra, para que compreendam como se semeia, se cuida da planta, que fruto ela dá... Para que conheçam as leis e os processos da vida que determinam suas próprias existências." Sobre o movimento Slow Food ser uma utopia, ele respondeu: "- Quem planta utopia colhe realidade."

*Fonte: revista Planeta, edição 455 - agosto/2010, p.7.

* * *

Com horta, sem horta, as crianças precisam mais de poesia!

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Conferência de Malvine Zalcberg



A psicanalista Malvine Zalcberg, autora de A Relação mãe e filha, Amor paixão feminina e de Qu'est-ce de qu'une fille attend de sa mère? (Que é que uma filha espera de sua mãe?), lançado neste ano, estará em BH para conferência na XXVIII Jornada do Fórum de Psicanálise do Círculo Psicanalítico de Minas Gerais.

Malvine, em março deste ano, falou sobre "Parcerias Amorosas Sintomáticas"*. No próximo dia 25, Malvine abordará a contingência do encontro entre o homem e a mulher. Marco Antônio Coutinho Jorge também estará presente na Jornada, no mesmo dia, com a conferência "A clínica da fantasia".

Informações: (31) 3223-6115
E-mail: cpmg@cpmg.org.br

*Mais: Síntese da palestra

Comentário sobre a conferência: A mágica do amor na conferência de Malvine

domingo, 12 de setembro de 2010

O que é ser sexy?

A revista IstoÉGente, edição de set/2010, nº 573, traz fotos dos 50 mais sexy - homens e mulheres. Lideraram o topo da lista: Reynaldo Gianecchini e Grazi Mazzafera. Fotos de beldades, gente linda, linda. Algumas fotos bem interessantes como a do Guilherme Winter, um jeito sexy no olhar,sorriso, na cara limpa, no cabelo cacheado, na t-shirt branca, um jeito meio sexy de ser, naturalmente, se é que me entende!; a do Edson Celulari, cabisbaixo, com um certo mistério, um homem lendo, provavelmente o texto, por ele ser ator, o que deu à foto um tom real - uma cena da vida "real" de um homem maduro que tem algo nele sexy; a do Cauã Reymond... e a do Cesar Cielo, talvez a foto mais sexy! Senti falta do Rodrigo Santoro, Thiago Lacerda, Paulo Ricardo, César Tralli, Chico Buarque, Lenine, Luiz Melodia, mas...

Curioso que na mesma revista há uma entrevista com Arnaldo Jabor. Entre outros assuntos, ele fala sobre sensualidade e sobre o que é ser sexy. Diz ele: "Ninguém é sexy. É sexy em relação a alguém, o restante é celebridade e a indústria da masturbação. Posso achar uma mulher linda e não sexy, como a Gisele Bündchen." Uma mulher sexy pra Arnaldo Jabor? Julia Roberts.

Ah, senti falta da Sônia Braga entre as mais sexy.

Pegando carona: o que é ser sexy pra você? Quem é sexy pra você?

Mais: Beleza

Multa aos pichadores!

Os pichadores de BH que se cuidem!

O Ministério Público Estadual não vai dar mais moleza aos pichadores. Estes poderão ter que pagar multa (alta) pelos prejuízos que causarem aos bens públicos da cidade. É a primeira ação civil pública ajuizada na Comarca de Belo Horizonte que pretende dar uma solução aos atos danosos praticados por pichadores e vândalos. A ação foi ajuizada pelo promotor Cristovam Joaquim Ramos Filho. De acordo com o promotor*, "A pichação é considerada crime de menor potencial ofensivo. É feito um acordo para encerrar o processo, além de reparar o dano, o infrator tem que pagar um salário mínimo pelo seu ato. Mas, sabemos que somente 50% deles quitam esse valor." Quando há formação de quadrilha, no entanto, a história é outra: não tem cabimento o referido acordo. Segundo o promotor, "(...) Se o juiz julgar procedente a ação, a multa será estipulada por ele e deve ser alta. Caso os acusados não tenham condições de pagar a quantia, vamos transformar a pena em prestações de serviços".

Em BH ocorrem mais de 300 pichações por mês. Nada menos que, em média, 10 pichações por dia. A PBH (prefeitura)tem que gastar R$ 2 milhões por ano para reparar os equipamentos públicos depredados por vândalos.

Em breve, BH contará com uma delegacia específica para combater a ação dos pichadores!

*Fonte: Estado de Minas (11/9/2010), Caderno Gerais, p. 21.

sábado, 11 de setembro de 2010

TJMG autoriza aborto

Há duas semanas, a 9ª Câmara do TJMG, por unanimidade, autorizou aborto de feto "portador de anomalia irreversível, (...) o que resulta em probabilidade de morte em 100%", segundo laudo médico. O Desembargador Relator José Antônio Braga privilegiou o princípio da dignidade da pessoa humana. De acordo com seu voto, "o princípio constitucional da dignidade da pessoa humana deverá prevalecer sobre a garantia de uma vida meramente orgânica". Em outro julgamento, anterior a este, a 13ª Câmara do Tribunal atendeu ao pedido de aborto de feto anencéfalo.

Fonte: Estado de Minas (11/9/2010) p. 23.

Mais: Quem fala por você,mulher?

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

PEQUENOS DESACATOS


Adel Souki*
Foto: Miguel Aun.


nem súdita nem rainha
nem anjo nem demônio
nem diva nem dona de casa

nem Glória nem Maria, tampouco Maria da Glória
dizem que nome é coisa importante
eu não ligo

profane meu nome
minha mãe, meu pai, meu tetravô
eu aguento

de mim sei tão pouco
e o que eu sei foi achado
no galope lento do meu tato

não me cubra de lisonjas
sou mulher de poucos adornos
não mereço tantos cuidados

pelo menos uma vez me ame
com a volúpia e dor
de um amante que se dá em despedida

- preciso me sentir sua



______________________________________________

Viviane Campos Moreira em AMOR EM PEDAÇOS & VERSOS
Postado em videbloguinho

*Queima em alta temperatura - Forno Anagama.
Catálogo cedido por Liege Mendes.

Mais: FISSURA.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Cheinhas na moda

Desfile de moda em Nova Iorque para as mais cheinhas!
As "plus" não ficarão fora da Semana de Moda de NY.

A modelo Lizzi Miller disse* que "este será o 1º grande desfile de modelos plus- size." Lizzi em 2009 foi "a mulher da página 194" da revista Glamour, edição de setembro. Na matéria "O que todo mundo menos você percebe sobre seu corpo", Lizzi posou com uma lingerie fininha mostrando uma barriguinha que levantou o debate sobre como as mulheres querem se ver nas revistas femininas. A editora da Glamour, Cindi Leive, recebeu centenas de e-mails no estilo "I love the woman on p.194!"

* * *

Esse desfile indica uma leve mudança nos rígidos padrões de beleza, saúde, sucesso e sex appeal?

*Vídeo: br.msn

OBS.: para acessar o vídeo, clique no link acima, sob br.msn. E para ver a famosa foto de Lizzi, clique no texto em Glamour (em itálico e negrito). O post da Glamour teve mais de 1.260 comentários e mais de 850 tweets.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

"Convite ao Pensar" - Filosofia PUC Minas



Histórias de amor e traicão - este é o tema do Convite ao Pensar deste 2º semestre. Evento realizado pela Filosofia da PUC Minas com coordenação do professor e coordenador do curso de Filosofia, Sérgio Murilo Rodrigues*. As palestras serão realizadas aos sábados na PUC do Coração Eucarístico, Auditório 3, Prédio 43 às 10h15. Entrada franca, com direito a certificado de participação.

Programação:

11 de setembro Macbeth: Trair para ser fiel Sérgio Murilo Rodrigues
16 de outubro Madame Bovary ou o desamor é uma morte Reginaldo Horta
30 de outubro Capitu e Diadorim: o enigma da traição e do amor Audemaro Taranto Goulart
6 de novembro Carmen de Bizet: O amor é um pássaro rebelde Haroldo Marques

Informações: (31) 3319-4633
E-mail: filosof@pucminas.br

*Entrevista com Sérgio Murilo Rodrigues sobre consumismo:
1ª parte
2ª parte

OBS.: para abrir a entrevista, clique nos links acima, sob 1ª parte e 2ª parte.

domingo, 5 de setembro de 2010

Marx e a subjetividade

Como o marxismo explica a questão da subjetividade na atualidade?

Em entrevista ao Estado de Minas*, Eduardo Mourão Vasconcelos (UFRJ), autor de Karl Marx e a Subjetividade Humana (3 vols.), disse que “As políticas neoliberais acentuaram as mazelas econômicas, sociais e ambientais de amplas parcelas da população mundial, o que tem forte impacto na saúde mental desta população. Por exemplo, pobreza, altas taxas de desemprego e de trabalho precário e informal difundem quadros de desamparo e depressão, de desarticulação da perspectiva de futuro através da dedicação à escola, ao trabalho e à carreira pessoal, e da esperança dos filhos terem uma vida melhor por meio do investimento de longo prazo na educação e formação para o trabalho. Isso gera aumento da criminalidade, do tráfico e do abuso de drogas, das milícias e da violência social, que por sua vez aumenta a incidência de fobias, estresse pós-traumático, depressão etc. Em paralelo, as famílias, com provedores com vínculos cada vez mais voláteis e divididos entre longas jornadas de trabalho externo e os afazeres domésticos, estão cada vez mais esgotados e indisponíveis para as exigências do processo de socialização real e psíquica de nossas crianças e adolescentes, estimulando os processos deliquenciais. Na outra ponta, o capitalismo contemporâneo induz um enorme desinvestimento em políticas de educação, saúde e saúde mental. Não tenho dúvidas de que as contribuições do marxismo são fundamentais para compreender tais processos, em diálogos interteóricos com outras abordagens engajadas acerca da subjetividade.”

*Caderno Pensar (4/9/2010) – p.6.

* * *

“Mundo mundo vasto mundo, mais vasto é meu coração”... Cá estamos, Drummond!