terça-feira, 16 de maio de 2017

Um sonho de outono

Viviane C. Moreira


Um amigo do colégio com quem não rolou nada, nem um beijo, nem um beijinho, meu namorado hoje. Com o mesmo cabelo castanho embrulhado em cachos. O corpo, o mesmo: fino, reto e comprido. O sorriso fácil no rosto. O olhar de homem escondido no menino. Minhas mãos de hoje. As mãos dele de ontem. Eu&Ele hoje? Em um elevador antigo. "Por favor, desliguem os celulares e liguem o inconsciente" - um aviso, uma voz, o quarto sinal no teatro.


*

O aviso...
Na peça Hilda e Freud que esteve em cartaz no teatro Bradesco em Belo Horizonte nos dias 12 e 13 de maio.

Com Bel Kutner e Antonio Quinet.
Texto: Antonio Quinet.
Direção: Antonio Quinet e Regina Miranda.
Direção de arte e cenografia: Analu Prestes. 

Mais sobre a peça: aqui
Debate com a participação do autor, ator e diretor Antonio Quinet e da diretora Regina Miranda: aqui

terça-feira, 11 de abril de 2017

Páscoa

British Museum


O que vai viver, espera.

(Adélia Prado no poema Ovos de Páscoa)


*

Uma Páscoa feliz a todos!

terça-feira, 21 de março de 2017

Pedaço de céu

Outono em Belo Horizonte

Viviane C. Moreira


Quem não vê o outono no céu, sei não, sei não. Ou tem juízo demais. Ou tem juízo de menos.Bom dos olhos ainda não está. 

Outono, o beijo bom. Aquele que não precisa de explicação. Aquele beijo que não precisa de muito porque já é bom. Pode não ser o melhor - e por que seria, se já é bom? Todo mundo nessa vida de pouco tempo e gosto para tudo, até para o que não existe, entende um pouco dessas coisas de beijo bom, não entende?

Mas como tudo na vida é, quando é mesmo bom, o outono também é exigente. Deve ser por isso que a gente beija, beija no verão mas aprende a beijar mesmo no outono.